Minha foto
Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brazil
“Sou muito mais que essas letras, frases e fotos que falam sobre mim. Sou as minhas atitudes, os meus sentimentos, as minhas idéias. O que realmente faz valer a pena estar vivo, não há filmadoras ou máquinas fotográficas que registre. Surpresas, gargalhadas, lágrimas, enfim, o que eu sinto, quem sou eu, você só vai perceber quando olhar nos meus olhos, ou melhor, além deles...” (Clarice Lispector)

dezembro 02, 2016

A última vez

Eu não me despedi de você, ou melhor, não te disse que não tenho mais forças para lutar. Hoje foi a última vez que tive esperança de te conquistar. Só hoje ainda desejei olhar seus olhos castanhos e suspirei ao lembrar do som da sua risada. Hoje eu queria te ouvir me pedindo uma bolacha e não um biscoito. Até queria te ouvir reclamar que está com sono e que odeia que bagunce seu cabelo. Não sei lidar bem com fins. 
Não, não acabou nossa relação, que nem ao menos começou direito. O que acabou foram minhas chances e tentativas, acabou a vontade de lutar por você. Tenho a sensação de que o mundo não vai amanhecer amanhã, mas é pura quimera. Vou chorar mais umas três madrugadas, porém em quatro dias vai estar tudo bem. No pensamento, você ainda será uma lembrança. Ou melhor, parte do meu dia-a-dia. Aliás, te encarar será um constante exercício de auto-controle. 
Você tinha que perde esse dom de fazer as pessoas se apaixonarem, sem nem ao menos, abrir a boca. E hoje, como sempre, desejo realmente que encontre alguém que se esforçará ao máximo para te fazer feliz. Que mesmo que você queira fugir, como é de costume, ele te dê todos os motivos para ficar. Eu vou sentir falta das nossas conversas e de te chamar no WhatsApp, com uma desculpa qualquer, mas não posso lidar com isso intacto. 
Hoje, é a última vez, que eu assisto uma comédia romântica desejando você ao meu lado. Hoje o Tiago Iorc vai ser excluído da playlist. Porque, simplesmente é assim, o sentimento não é uma opção. Ou o olho brilha ou não. Ou o frio na barriga acontece ou não. Ou os dois querem ou não. É normal. Eu acho. Anormal seria levar isso até ferir ainda mais, quando o outro não quer o mesmo. Mas, com toda sinceridade, sempre desejei que você encontrasse alguém para amar e que te ame. E hoje, eu soube, que você encontrou. E espero que seja bem feliz. Por isso, é a última vez. Vou te amar, só mais hoje. É a última vez que te escrevo, que fico com lágrimas nos olhos, ao dizer teu nome. Não vou mais desejar um cafuné, um carinho, um abraço repentino e você do lado, comendo brigadeiro de panela. Acabou a ilusão que criei chamada: você. O meu eu, sem você, renasce hoje. 

novembro 29, 2016

Você ainda não é minha recompensa

Estava lendo uma crônica da Martha Medeiros em que ela disse: "Quem sabe o amor seja a recompensa por termos resolvido nossos problemas". Ou seja, você não é o meu presente. Acho até que não me apaixonei, apenas cismei. Lógico que fui pesquisar se o seu signo combinava com o meu e que, por diversas vezes, fui na sua janela do whatsapp e fiquei digitando.
Mas aprendi na marra, depois de umas noites em claro e olhos inchados, era perda de tempo ficar te esperando. Cansei de lidar com suas inconstâncias, há dias que está um doce que nem mel e outros que está mais para um limão muito azedo. Não adianta eu querer estar ao seu lado, enquanto você está com um alguém qualquer na academia, na fila de um motel ou assistindo um episódio de Sense 8. Eu não precisava estar perto, para te sentir comigo. Não precisava te olhar, para achar lindo, mesmo com cara de sono. Você apareceu, fez o meu mundo girar e eu nem sei porquê. Eu criei nossa história, antes mesmo de vivê-la. Por isso, digo que cismei.
Claro que já imaginei a gente num transe de um beijo quente, enquanto a Taylor Swift canta nossa trilha ao fundo. Queria contigo conquistar coisas pequenas, como não esquecer quando se queimou no trabalho ou a história da sua cicatriz na infância. Será que quando você lembra de mim e das nossas conversas, solta aquela risadinha de canto de boca sem notar? Que diferença faz nessa altura da vida. Não adianta querer te levar, para onde você não quer ir. Quando te vejo e te abraço forte, isso até alivia a dor. Mas entendi que quando não há reciprocidade, não posso demorar. E esse é o lance. Você ainda não era minha recompensa, pois não tinha visto que não preciso de alguém. Que minha companhia é suficiente. Perdi tempo e me desgastei por quem não estava disposto a se dedicar. Enquanto você era um paixão ou uma cisma, eu era apenas um contato qualquer na sua agenda. 
Quero o recíproco, busco somente o que for verdadeiro e não posso mais amar alguém sem primeiro amar a mim inteiramente, ou seja, querida Martha, estou pronto para minha recompensa. Por isso, nunca pude te desembrulhar. Você ainda não é minha recompensa, apesar de estar em meus sonhos, de eu querer te contar que adorei o filme da Elis (Regina) e que estou lendo o novo livro do Gregório (Duvivier). Foi como um naufrágio te entregar meu coração, por isso desejo não sentir falta do teu cheiro de perfume importado, de perder o ar enquanto te vejo sorrir e das tuas reclamações. Não quero sentir falta, quero sentir ânsia e até aumentar a distância. Afinal a gente não tem, nunca teve nada. Mas estou bem. Até porque, voltando a citar Martha, "o amor é o prêmio para quem relaxa". 

novembro 23, 2016

Não quero mais

Não sou mais um adolescente com tempo para brincar com a vida. Portanto se gosta de joguinhos, frases nas estrelinhas, sinto muito, não vai rolar. Não tenho mais tempo para desperdiçar tentando. Não sou de meias palavras, nem falo meias verdades. Posso corar ao dizer que quero alguém, posso ficar tímido ao confessar meus desejos e até chorar relembrando uma saudade, entretanto guardar quaisquer coisas dentro de mim é impossível.

Teve um tempo que eu até acreditei que era melhor ter alguém por ter, mesmo sem o outro estar na mesma vibe. Porém chega uma hora que a gente perde o interesse. E isso não quer dizer que encontrei outro alguém ou que ocupei o espaço no coração, nada a ver. Só significa que cansei do desgaste, do excesso de tentar.

A espera não é uma escolha, simplesmente acontece. Acontece de a gente esperar tempo demais e acabar sentado no meio-fio solitário. Mais uma hora vai acontecer de alguém salvar a gente, salvar dessa espera. Por isso, se você vai salvar, então venha. Porque esperar em vão, pela enésima vez, não vai rolar.

Quero alguém que beije minha mão, a mesma que outros largaram. Quero alguém que fique, pois estou cansado de ver as pessoas partindo. Desisto de quem estava aqui, mas não é presente. E nem se mostrava perto, mesmo estando do lado. Chega uma hora que se entregar sozinho sobrecarrega. E aquele jogo de procurar, ter paciência, esperar e conversar, quando o outro quer, vira um fardo, pesado demais.

Por isso, não tenho mais interesse. Melhor ser sozinho, do que se sentir vazio, com alguém no espaço. Abri os olhos e percebi que não preciso do outro para ser feliz ou para ficar bem. Parei de esperar por quem me esquece num canto qualquer. É uma tortura dolorosa querer aquele alguém que não se pode ter a ponto de fazer o próprio universo girar em torno total da pessoa. Portanto, chega. Parei de planejar uma série de encontros que nunca acontecerão. Por conta disso perdi o interesse, parei de me esforçar demais, por quem nem uma pena move. 

novembro 09, 2016

Não foi dessa vez

Acreditei mesmo, que dessa vez seria diferente, de todas as outras. A nossa ligação foi instantânea, a intimidade cresceu sem rodeios e em pouco tempo parecia que você sempre esteve aqui. Com esse sorriso tão lindo e os olhos também. E olha eu que estava bem. Estava tranquilo, tinha acabado de construir com tijolinhos minha muralha de estimação, pronto para não deixar ninguém ultrapassá-la por um bom tempo. Só que você trouxe tudo de mais bonito, se instalou na playlist do meu celular e assim criou uma passagem secreta na minha muralha, e nessa ponte troquei segredos só com você. 
Apesar das cicatrizes, das sombras do passado e de toda solidão, achou um canto esquecido no meu peito para se acomodar. E de repente, tudo começou a ficar bem ao seu lado. É isso que eu gosto em você. É chato, cabeça dura, teimoso, entretanto você vai do insuportável ao incrível, num estalar de dedos. Faz elogios, alegra meu dia e virou companhia, mesmo sem estar em todos os lugares. Até que achei que estava tão seguro no abrigo, que fui direto. Falei o que o queria, você me beijou na testa e disse "vamos ser só amigos!". 
Em um momento nos perdemos, me senti numa história com um fim meio sem final, daqueles que ninguém entende. Sabe aquela cena primordial do filme, para você entender a história? Então, eu perdi. Assim que eu me senti. Sei que ainda podemos conversar, ir ao cinema, passear, viajar e até falar dos nossos amores e paixões. Que irônico. Porque eu queria ser aquele que você pode ligar, para contar sobre seu dia cansativo de trabalho ou falar qualquer coisa que tiver no seu pensamento. Sendo que eu ainda posso ser, como um amigo, é claro. E então, entendi que não há razão para sofrer, pois você ainda está aqui. Ou posso, pois queria ser mais que um amigo. Mas ainda assim, eu abro um sorriso de gratidão por ter conhecido você. Não era amor, não chegou a ser amor, mas é tão lindo quanto. É amizade e é tudo que era pra ser.  

outubro 19, 2016

Sorte ou azar

Você é tão acostumado a sempre ter razão. Desprendido, distante e tão na sua, que não consegue enxergar o que está diante dos teus olhos. Você vive se programando para não correr riscos, fecha o coração e impede as coisas boas que acontecem ao teu redor, cheguem a você. Quando eu quis você, você não me quis, me desprezou e assim eliminou mais uma chance de ser feliz. 
Imagino o estrago que fizeram contigo, antes de eu chegar. Sei que sente medo, não se permite ou talvez nunca tenha se apaixonado. Dá para perceber que te falta segurança, deixa então que eu segure tua mão com carinho. Sim, por mais que eu diga não, ainda sinto vontade de te cuidar, de tua alma salvar. Por querer, deixe um beijo eu roubar. Eu já sei que teu sorriso combina muito bem com o meu. Talvez nunca tenha imaginado um conto de amor, uma paixão que causasse auê, então espero que tu te cures. Cure essas feridas e que passe todo esse temor de se entregar. Criar expectativas e tentar, é tão inocente, experimente. 
Esteja disposto a passar noites em claro, a queimar um pouco dos dedos, pois amar é brincar com fogo, entretanto vai sorrir do nada no meio da rua, e não há sensação melhor. Deixa que a calmaria faça estadia e te deixe bem. Esse clima de amores e desamores, de dores e favores, de tentar conquistar e ser conquistado, de se entregar e arriscar, aquece e balança o coração. Queria eu balançar o seu. Por diversas vezes, as lágrimas rolaram na face por tua causa, entre amor e ódio. Gostar de ti foi a pior droga que eu podia ter experimentado. Com todavia, eu queria ser teu desejo em uma noite de temporal e ter o seu moletom emprestado no dia seguinte. 
Sei que o problema sou eu e esse meu excesso de querer demais, mas só queria que fosse eu. Eu queria te fazer voltar acreditar no amor, a ter crença de que a felicidade é mais percurso que destino. Só queria, sem esforço, fazer você sorrir, pois assim o mundo estaria iluminado. Seu nome ainda faz meu coração pulsar, só não sei mais se posso considerar isso sorte ou azar.